segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Cartas à Amada Imortal - Beethoven






Tenho grande “amor”, uma admiração imensa mesmo por Beethoven, e sua obra magnífica é um grande bálsamo em minha vida. Não me canso de ouvir, de me encantar, de ler sobre sua vida e obras...
E como todo ser humano, Beethoven também teve seus segredos, seus amores não correspondidos, suas musas inspiradoras, seus momentos de dor, de raiva, e de muito amor...após sua morte uma lacuna em sua vida foi descoberta...um grande amor que ninguém até hoje sabe dizer com certeza quem foi...alguns dizem que seria uma mulher que não deu chances ao compositor...foram encontradas cartas apaixonadas que ele escreveu à uma mulher que não citou nome e que o mundo denomina hoje de “AMADA IMORTAL”...

Somente um homem com muito AMOR dentro de si, poderia ter deixado como legado, uma obra da imensa magnitude como é a obra de Beethoven... quem hoje pode dizer que tem esse AMOR ???AMOR INTENSO...Poucos...raros são os que se entregam aos sentimentos intensos...profundos e verdadeiros...

Cartas de Amor... em extinção no mundo atual...

O mistério amoroso do grande Beethoven:

Manhã de 6 de julho

Meu anjo, meu tudo, meu eu... Por que esta profunda tristeza quando é a necessidade quem fala? Pode consistir nosso amor em outra coisa que em sacrifícios, em exigências de tudo e nada? Esqueceu de que você não é inteiramente minha e de que eu não sou inteiramente seu? Oh, Deus!

Contempla a maravilhosa natureza e tranquiliza seu ânimo na certeza do inevitável. O amor exige tudo e com pleno direito: eu para com você e você para comigo. No entanto, duvida tão facilmente que eu tenho que viver para mim e para você. Se estivéssemos completamente unidos, nem você nem eu estaríamos nos sentindo tão desolados. Minha viagem foi horrível...

Alegre-se, você é o meu mais fiel e único tesouro, meu tudo como eu para você. No mais, que aconteça o que tenha que acontecer e deva acontecer; os deuses saberão o que fazer...

Tarde de segunda-feira. Você sofre. Ah! onde estou, também ali está você comigo. Tudo farei para que possamos viver um ao lado do outro. Que vida!!! Assim!!! Sem você... perseguido pela bondade de algumas pessoas, que não quero receber porque não as mereço. Me dói a humildade do homem diante do homem. E quando me acho em sintonia com o Universo, o que sou e quem é aquele a quem chamam o Todo Poderoso? E sem dúvida... aí então aparece de novo o divino do homem. Choro ao pensar que provavelmente não receberá minha primeira carta antes de sábado. Tanto como você me ama, muito mais a amo!... Boa noite! Devo ir dormir. Oh, Deus! Tão perto! Tão longe! Não é nosso amor uma verdadeira morada do céu? E tão sólido como as muralhas do céu?!

7 de julho

Bom dia! Todavia, na cama se multiplicam meus pensamentos em você, minha amada imortal; tão alegres como tristes, esperando ver se o destino quer ouvir-nos. Viver sozinho me é possível, ou inteiramente com você, ou completamente sem você. Quero ir bem longe até que possa voar para os seus braços e sentir-me num lugar que seja só nosso, podendo enviar minha alma ao reino dos espíritos envolta em você. Você concordará comigo, tanto mais conhecendo minha fidelidade, e que nunca nenhuma outra possuirá meu coração; nunca, nunca...

Oh, Deus! Por que viver separados, quando se ama assim? Minha vida, o mesmo aqui que em Viena: sentindo-me só, angustiado. Você, amor, me tem feito ao mesmo tempo o ser mais feliz e o mais infeliz. Há muito tempo de que preciso de uma certeza em minha vida. Não seria uma definição quanto ao nosso relacionamento? Anjo, acabo de saber que o correio sai todos os dias. E isso me faz pensar que você receberá a carta em seguida.

Fique tranquila. Contemplando com confiança nossa vida alcançaremos nosso objetivo de vivermos juntos. Fique tranquila, queira-me. Hoje e sempre, quanta ansiedade e quantas lágrimas pensando em você, em você, em você, minha vida, meu tudo! Adeus, queira-me sempre! Não duvide jamais do fiel coração de seu enamorado Ludwig. Eternamente seu, eternamente minha, eternamente nossos.

— A Amada Imortal será sempre um mistério. Certos biógrafos afirmam que desconhecem, e até sugerem que, talvez a bem-amada de Beethoven, é alguém cujo nome ninguém nunca soube...

Tradução : Arnaldo Poesia

Há um lindo vídeo só visto no youtube:

http://youtu.be/zbF6vtFkL6M


sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Kairós - As batidas do coração - Rubem Alves





O tempo se mede com batidas.
Pode ser medido com batidas de um relógio (chronos)
ou pode ser medido com as batidas do coração (kairós).
Ao coração falta a precisão dos cronômetros.
Sua batidas dançam ao ritmo da vida - e da morte...
Nossa civilização tem palavras para dizer
o tempo dos relógios: a ciência,
mas perdeu as palavras para dizer
o tempo do coração.
Coração não entende chronos.
Coração entende vida.
Kairós mede a vida pelas pulsações do amor.
Chronos me diz que eu nada possuo.
Nem mesmo meu corpo.
O relógio é o tempo do dever,
corpo engaiolado.
Kairós vem em meu socorro,
para espantar a tristeza.
Diz-me que o tempo é uma criança.
Convida-me a brincar com chronos.
Cada momento de brinquedo
é uma eternidade completa.
A vida tem que ser uma namorada.
O amor vale pelo momento.

*Rubem Alves*

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A INVEJA - Rubem Alves

Arte surrealista de Mihai Criste


Certamente vc conhece alguém assim,
pois o mundo esta repleto de seres doentes na alma querendo ser aquilo que nunca poderão ser, então...INVEJAM !
Mas nunca chegarão a ser como o ser invejado e isso por si soh já basta!

"Não inveje..faça melhor!"
Rose

Ahhhhhhhhhhhhhhhhh, 


A   I.N.V.E.J.A. 

Esse texto faz parte de uma cronica de Rubem Alves , sobre um homem que encontrou uma garrafa na qual vivia um gênio que tinha o poder para realizar todos os seus sonhos. Por aquele gênio ele seria levado ao lugar onde todos os
 nossos sonhos são realizados. O gênio saiu da garrafa onde estivera adormecido e lhe disse: 

"Tenho o poder de transformar em

  realidade todos os seus sonhos, sem nenhum limite. É só você me contar o seu sonho, e ele acontecerá."


O homem começou então a pensar nas coisas maravilhosas que iria pedir: um corpo jovem, sem dores ou doenças, cheio de beleza, energia, casas nos lugares mais lindos das montanhas e das praias, com jardins exuberantes; cozinhas onde se fariam as mais deliciosas comidas e bebidas; música; livros; amigos; amor… Ah! Ele era um homem refinado, com gosto apurado, e sabia escolher boas e excelentes coisas! Seria um ser humano feliz! E assim os seus olhos iam tranqüilamente passeando pelos seus sonhos, antegozando a felicidade ilimitada que iria gozar dentro de alguns momentos.


Foi quando o gênio lhe disse: "Há apenas um detalhe que me esqueci de mencionar, porque acho que é irrelevante. Tudo o que você tiver, o seu pior inimigo vai ter em dobro…" Foi o gênio falar e aconteceu com os olhos do homem aquilo que escrevemos (…): eles, que até então descansavam nas coisas que iriam fazê-lo feliz além de tudo o que imaginara, começaram a olhar para as coisas que seu inimigo iria ter. E quando voltaram de novo para suas próprias coisas, aquelas mesmas que, apenas um momento antes, o haviam feito o homem mais feliz do mundo, descobriu que todas elas, neste segundo em que seu olhar dançara, haviam apodrecido. A inveja é um verme que faz apodrecer o fruto delicioso que estávamos para comer. A inveja nos deixa de mãos vazias. É importante que se entenda logo para se compreender o fim da estória:
"Já sei o que quero pedir", disse o homem ao gênio, depois de longa meditação.
"Pois faça o seu pedido", disse o gênio.

"Me fure um olho…"


*Rubem Alves*

 
*****************************************


"Ciúme é querer manter o que se tem; 
Cobiça é querer o que não se tem; 
Inveja é não querer que o outro tenha. 

inveja é um vírus que se caracteriza pela ausência de sintomas aparentes. 

O ódio espuma. 

A preguiça se derrama. 

A gula engorda.

 A avareza acumula.

 A luxúria se oferece. 

O orgulho brilha. 

Só a inveja se esconde. 


Como adverte a emergente Vera Loyola:

 ‘O verdadeiro amigo não é o solidário na desgraça, mas o que suporta o seu sucesso". 

*Zuenir Ventura in Mal Secreto*


E a pobre da Regina - USA- esta muito doente da alma! Tadinha :)

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

É Primavera !!





Aconteça o que acontecer em nossas vidas, o tempo não pára, a natureza segue seu curso e assim chega hoje a estação mais esperançosa que existe, a estação do florescimento, nascimento, recomeço... assim eu vejo a primavera...recomeçar com flores, cores, perfumes...tudo se move, o cinza invernal dá espaço para o colorido primaveril...é dessa maneira que a natureza se recupera da escuridão fria do inverno ...é assim que nós devemos nos reerguer perante a vida que se renova a cada flor que nasce, a cada cor que brilha nesse espaço divino e lindo que é o Planeta Terra.

Acolher na alma, no coração esse momento vivo de rara beleza é como dar mais vida às nossas vidas, é como ver o sol brilhar mais intensamente, é saber que como a natureza, nós temos que reconhecer o momento de mudar, recriar, renascer...com cor, perfume, delicadeza, beleza...alegria...mesmo que tudo seja efêmero, mas tendo sua existência intensa terá valido a pena...

E que nossos caminhos sejam muito mais FLORIDOS ...

E assim será!

Esperança é para quem sabe esperar!!!!

A música é Barcarolle de Offenbach cantada pela adorável Nana Mouskouri – Alegria sempre, na alma, no coração, mesmo que ainda não manifestada fisicamente, mas ela chegará...

Na imagem, tela de Leonid Afremov, que gosto demais, onde sinto a presença da intensidade da alma...a vida em cores vibrantes e alegres.
Que assim seja...
Assim seja
E assim será!

Rose

Primavera

Cecília Meireles


A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.


Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.



sábado, 27 de agosto de 2011

Valeu a pena ??? By Rose Colaneri and Rubem Alves








Sempre chega um momento em nossas vidas que nos questionamos: Valeu a pena?

Parafraseando Fernando Pessoa : Valeu a pena, se a alma não é pequena”. Cada um sabe quantas dores lhe cabe na alma e como as suporta, cada um sabe o que faz com aquilo que o fez sofrer ou sorrir. Cada um sabe a dor e a delicia de ser o que é (Caetano Veloso).

Nessas experiências de vida é que tomamos consciência do poder da força e da fé que possuímos, ou não, do amor que temos dentro de nós e de sua potência perante os desafios, descobrimos o quão grande é a fragilidade de ser e estar, e quanto pesa a dor da escuridão da alma...

dos silêncios...desencontros...abandonos...solidão...desamor...

e o encontro consigo mesmo.

Muitos se perderam no caminho para depois se encontrar, muitos se perderam no caminho somente para hibernar e nada mudar, muitos se perderam no caminho para realmente se perder...cada um conhece somente a dor que lhe cabe verdadeiramente, cada um sabe de si somente...

“Não importa o que fizeram com você.
O que importa é o que você faz com aquilo que fizeram com você”.
Jean Paul Sartre





Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!




Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Fernando Pessoa

Ninguém passa por sua vida sem deixar uma marca...algumas são feridas que doem e sangram, outras são o bálsamo que lhe ajudará a cicatrizar essas feridas, outras deixam seu perfume encantador e enriquecedora sabedoria. Algumas marcas somem com o tempo...outras ficam como cicatrizes bem visíveis como prova de aprendizado para que não se repitam os mesmos erros...outras...as marcas do bem ficam eternas como perfume no ar...que a qualquer momento pode voltar a ser exalado...Às pessoas que por vezes passam tão rapidamente por nós dando exemplos de amor e superação devemos toda gratidão e carinho, essas são as verdadeiras conquistas pessoais, que ficam marcadas no coração...mesmo que passem como um relâmpago, um momento fugaz, mas são momentos de êxtase profundo que sobreviverão para sempre na memória e na saudade...

Esses breves instantes de vida, os bons, é que devem ser valorizados intensamente...são neles que moram nossas melhores recordações, neles residem nossa saudade hoje, porque saudades só sentimos daquilo que foi bom, mesmo que tenha sido por um instante ou por mais tempo. O que importa é na verdade termos a consciência que tudo é efêmero existencialmente, mas eterno na lembrança de nossos corações, emoções...que o eterno dentro de nós só abrigue as emoções do amor e nunca as de mágoas!

Pessoas entram e saem de nossas vidas, procure deixar nelas a melhor impressão de caráter, de lealdade, honestidade, bondade, respeito, amor, carinho, ternura...é isso que faz de você uma pessoa especial que certamente Vale a pena !!!!!

Porque a vida acontece agora no hoje...amanhã pode não existir , não deixe ninguém com mágoa de você...poderá não haver outro momento para curar feridas!!! Faça sempre Valer a pena!!!!!!!!!!!!

By Rose Colaneri


"Só é possível transformar-se na medida em que já se é."
Friedrich Novalis




Não compares tua vida com a dos outros. Não tens idéia do caminho que eles andaram”.

“Antes de me julgar, ande com as minhas sandálias”.

*.*



Por Rubem Alves




Ali estávamos nós quatro: você, eu, I-Ching e Beethoven. As moedas iam marcando a direção do oráculo-luz para sua pergunta. Mas você não sabia que há perguntas para as quais o livro dos oráculos não tem respostas. Porque ele foi escrito para aqueles que, diante do escuro do futuro, procuram um conselho de prudência:
Que fazer?

O livro não diz o que vai acontecer, porque ele não sabe. Suas respostas são como a previsão do tempo: tempo bom com nebulosidade; tempo instável, sujeito a chuvas; temperatura em declínio, aproxima-se um furacão… Ninguém que navega em barca a vela se atreve mar adentro sem antes lançar suas moedas e perguntar ao tempo o que o futuro reserva. Os que ignoram as advertências do tempo poderão pagar com a vida. Ulysses Guimarães pagou. Nunca mais foi achado. Acostumado ao poder, achou que poderia desafiar o tempo. Perdeu. Assim é o I-Ching: um oráculo que anuncia o tempo do Tao.

Tao é o nome do mar onde a vida navega. Cedia Meireles entendia:

Muitas velas, muitos reinos, âncora é outro falar, tempo que navegaremos não se pode calcular…

Não é possível derrotar o mar absoluto com os remos que temos nas mãos. É preciso fazer como quem navega: levantar as velas, direcionar o leme, e deixar-se levar pelo vento misterioso da vida…Mas você não estava pedindo um conselho de prudência sobre o futuro. Você pedia uma palavra de sabedoria sobre o passado.

Valeu a pena?

Tantos rochedos, tantas tempestades, tantas velas rasgadas e recosturadas, tantos mastros quebrados e consertados… Valeu a pena? E eu senti, na sua pergunta, uma outra mais terrível – se não teria sido melhor ter naufragado…E o I-Ching não soube que resposta dar. Talvez porque a resposta já estivesse no ar,um hexagrama inexistente onde estivesse escrito: Pergunta ao Beethoven!Já na cama, eu perguntei ao Beethoven. A gente estava ouvindo o último movimento da Nona Sinfonia.

Por várias vezes a orquestra cantara o tema, começando com os veludos dos violoncelos, os ouvidos tinham de prestar atenção, pois a música parecia um sussurro. Aos poucos os outros instrumentos foram acordando, saindo do seu silêncio, até que todos se puseram a tocar com força sobre-humana. Talvez este tenha sido o esforço supremo de Beethoven para ouvir aquela beleza perfeita que só ouvia com a alma, pois seus ouvidos já nada ouviam.

Valeu a pena?

A orquestra, então, como um golpe de marretas, uma cadência trágica e furiosa, interrompe a beleza celestial do tema num grito de revolta que diz: Não, não valeu a pena! Ao final, parece que o trágico leva a melhor. Mas isso era resposta que Beethoven não podia aceitar, ainda que fosse oráculo de I-Ching. E ele pede socorro de alguém maior que todos os oráculos. Ele chama um poeta. O poeta vem e canta sobre o trágico canto, o seu canto de alegria:

Oh! amigos – não cantemos assim: Cantemos com prazer maior, com mais alegria! Alegria! Alegria! Centelha de Deus! Todas as criaturas bebem dela, nos seios da natureza.

Faz muitos anos eu li o livro Lições de Abismo, de Gustavo Corção. É a história de um homem, nos seus 50 anos, que descobre que tem apenas mais seis meses de vida. Sem tempo para construir o futuro, ele olha para trás, na tentativa de ouvir alguma melodia que se tivesse anunciado em meio às dissonâncias de sua vida. E se perguntava:



Valeu a pena?



Que bom seria se fôssemos como uma sonata de Mozart, só 20 minutos, mas nesses minutos tudo o que é para ser dito, é dito!

Coitado! Ele não percebeu que a vida de alguém não se mede pelo número de anos vividos, da mesma forma como a beleza não pode ser medida pela duração da melodia. Beethoven disse tudo o que era para ser dito em 50 minutos. Mozart dizia o essencial em 20minutos. E Milton Nascimento faz a mesma coisa em quatro minutos. A Adélia Prado precisa apenas de 30 segundos. Blake dizia que a eternidade mora num grão de areia e pode ser contida na palma da mão. Com o que Borges concorda:

A vida é feita de momentos .

Valeu a pena?

A sua pergunta está respondida nos curtos momentos da Nona Sinfonia.

Curtos, mas destinados à eternidade.

“Cada momento de alegria, cada instante efêmero de beleza, cada minuto de amor, são razões suficientes para uma vida inteira. A beleza de um único momento eterno vale a pena de todos os sofrimentos”.







terça-feira, 2 de agosto de 2011

Beethoven - Ode à Alegria











Namaste!

Quem me conhece sabe que gosto muito de músicas (excessivamente, na verdade) , MÚSICAS DE QUALIDADE, e entre as muitas que ouço diariamente estão as clássicas. Sim, eu não passo um dia sequer sem ouvir músicas, se por acaso demoro a fazer isso, meu corpo vai entrando em abstinência, e necessito urgentemente ouvir uma boa música. Há muitos estudos por trás desse mundo de sons que comprovam que as boas músicas e saber ouvi-las, faz muito bem ao nosso corpo mental e emocional e conseqüentemente para o físico. Já dizia o Uexküll: “Todo corpo é uma música que se toca”. E é claro cada pessoa tem suas preferências e assim seus gostos são inerentes à sua busca.

Rubem Alves cita muito em seus textos o gosto por músicas clássicas dentre elas as de Bach. Ele diz: A música me faz sair do meu mundo medíocre e entrar num outro,de beleza e formas perfeitas...Ouvir música é oração...Música é parte de mim.
Para me conhecer e me amar é preciso conhecer e amar as músicas que eu amo."

Friedrich Nietzsche também fala sobre a música: “Sem a música, a vida seria um erro”.
“E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música”.

Entre os compositores clássicos, tenho um “amor” maior por Beethoven, e busco conhecer melhor sua vida e obra. Indico os livros “Beethoven de Edmund Morris”, A música e a vida de Beethoven - Lewis Lockwood, e filmes como “Minha Amada Imortal e O Segredo de Beethoven.

Toda obra de Beethoven tem grande importância terapêutica e nisso encontro uma grande sincronicidade entre minha “preferência” a ele e meu trabalho terapêutico, eu não sabia disso quando comecei a ouvir suas obras e me encantar cada vez mais.

Completamente surdo Beethoven em seu mundo sem sons, fez surgir em seu pensamento a 9ª Sinfonia – Sinfonia que canta a alegria da vida, nascida do silêncio dos sons que não existiam. A 9ª sinfonia nos permite um contato mais "refinado" com a consciência!!

Hoje, vou postar no blog somente um resumo biográfico da vida desse grande compositor e um vídeo cantado lindamente por uma cantora que aprecio muito Nana Mouskouri do trecho da Nona Sinfonia - Ode à Alegria.

Feche os olhos, aquiete a mente e o coração e absorva cada partícula emitida pelos sons divinos do grande BEETHOVEN.

É no silêncio da alma que encontramos a verdadeira beleza, um mundo onde só há espaço para o encanto, a beleza abstrata, pois é na alma que mora o divino em nós.


Rose Colaneri


Músico alemão
LUDWIG VAN BEETHOVEN
16/12/1770 - Bonn, Alemanha
26/03/1827 - Viena, Áustria
uol educação


"Escutar atrás de si o ressoar dos passos de um gigante". Esta foi a definição que o compositor Johannes Brahms deu à Nona Sinfonia de Beethoven.

Beethoven era alemão, mas seu nome de família mostra a ascendência holandesa. A palavra "bettenhoven" significa canteiro de rabanetes e é o nome de uma aldeia na Holanda. A partícula "van" também é bastante comum aos nomes holandeses. O avô do compositor era da Bélgica e a família Beethoven estava há poucas décadas na Alemanha na época do nascimento de Ludwig.

O avô Beethoven trabalhava como diretor de música da corte de Colônia e era um artista respeitado. Seu filho, Johann, pai de Ludwig, o seguiu na carreira, mas sem o mesmo êxito. Johann percebeu que o pequeno Ludwig tinha talento e tratou de obrigar o filho a estudar muitas horas por dia.

Ludwig deixou a escola com apenas 11 anos e aos 13, já ajudava no sustento da casa, trabalhando como organista, cravista, músico de orquestra e professor. Era um adolescente introspectivo, tímido e melancólico, freqüentemente imerso em devaneios.

Em 1784, Beethoven tornou-se amigo do jovem conde Waldstein, que notou o talento do compositor e o enviou para Viena, na Áustria, para que se tornasse aluno de Mozart. O breve relacionamento entre os dois compositores, porém, é incerto e pode nem ter acontecido, segundo algumas fontes. Em duas semanas, Beethoven voltou para Bonn, devido à morte da mãe.

Começou então a fazer cursos de literatura, como uma forma de compensar sua falta de estudo. Teve contato com as fervilhantes idéias da Revolução Francesa e a literatura pré-romântica alemã de Goethe e Johann Schiller. Esses ideais se tornariam fundamentais na arte de Beethoven.

Em 1792, Beethoven partiu definitivamente para Viena, novamente por intermédio do conde Waldstein. Dessa vez, Ludwig havia sido aceito como aluno de Haydn - a quem chamaria de "papai Haydn". Beethoven também teve aulas com outros professores.

Seus primeiros anos vienenses foram tranqüilos, com a publicação de seu Opus 1, uma coleção de três trios, e a convivência com a sociedade aristocrática vienense, que lhe fora facilitada pela recomendação do conde. Era um pianista de sucesso e soube cultivar admiradores.

Surgiram então os primeiros sintomas da surdez. Em 1796, na volta de uma turnê, começou a queixar-se, e teve o diagnóstico uma congestão dos centros auditivos. Tratou-se com médicos e melhorou sua higiene, a fim de recuperar a boa audição. Escondeu o problema de todos.

Em 1802, por recomendação médica, foi descansar na aldeia de Heilingenstadt, perto de Viena. Em crise, escreveu o que seria o seu documento mais famoso: o "Testamento de Heilingenstadt". Trata-se de uma carta, originalmente destinada aos dois irmãos, que nunca foi enviada, onde ele reflete, desesperado, sobre sua arte e a tragédia da surdez.

O suicídio era um pensamento recorrente. O que o fez mudar de idéia foi encarar a música como missão: "Foi a arte, e apenas ela, que me reteve. Ah, parecia-me impossível deixar o mundo antes de ter dado tudo o que ainda germinava em mim."

Só em 1806, Beethoven revelou o problema, em uma frase anotada nos esboços do Quarteto n° 9: "Não guardes mais o segredo de tua surdez, nem mesmo em tua arte!".

Beethoven nunca se casou e sua vida amorosa foi uma sucessão de insucessos e de sentimentos não-correspondidos. Apenas viu realizado um amor correspondido. A revelação está na "Carta à Bem-Amada Imortal", escrita em 1812. A identidade dessa mulher nunca ficou clara e suscitou muitas especulações. Um de seus biógrafos concluiu que ela seria Antonie von Birckenstock, casada com um banqueiro de Frankfurt.

Em 1815, o irmão de Ludwig, Karl, morreu deixando um filho de oito anos para ele e a mãe da criança cuidarem. Beethoven lutou na justiça para ser seu único tutor e ganhou a causa.

Beethoven passou os anos seguintes em depressão, mas, ao sair dela em 1819, deu início a um período de criação de obras-primas: as últimas sonatas para piano, as "Variações Diabelli", a "Missa Solene", a Nona Sinfonia e, principalmente, os últimos quartetos de cordas.

Foi em plena atividade, cheio de planos para o futuro (uma décima sinfonia, um réquiem, outra ópera), que ficou gravemente doente - pneumonia, além de cirrose e infecção intestinal. Morreu no dia 26 de março de 1827.

Beethoven é reconhecido como o grande elemento de transição entre o Classicismo e o Romantismo.

Estudiosos costumam dividir a obra beethoveniana em três fases. A primeira incluiria as obras escritas entre 1792 e 1800. A segunda fase corresponderia ao período de 1800 a 1814, marcado pela surdez e pelas decepções amorosas. São características dessa fase obras como a sinfonia "Eroica", a "Sonata ao Luar" e os dois últimos concertos para piano. A última fase, de 1814 a 1827, ano de sua morte, seria o período das obras monumentais: a Nona Sinfonia, a "Missa Solene", os últimos quartetos de cordas.

A obra de Beetoven inclui uma ópera ("Fidelio"), música para teatro e balé, missas; sonatas; cinco concertos para piano, um para violino e um tríplice, para violino, violoncelo e piano; música de câmara (os quartetos de cordas) e nove sinfonias.

A Sinfonia n° 3, "Eroica", foi planejada para ser uma grande homenagem a Napoleão Bonaparte. A Nona, talvez a obra mais popular de Beethoven, marcou época. Sua grande atração é o final coral, com texto de Schiller, a "Ode à Alegria".





A 9ª Sinfonia no Filme “ O segredo de Beethoven”



A 9ª Sinfonia no filme "Minha Amada Imortal"

domingo, 24 de julho de 2011

A humildade do Mestre
















A Humildade do MestrePor Denys Bernard

Uma vez existiu na China um homem que, sendo possuidor de uma imensa bondade, levava uma vida pura e em harmonia com todos os seres da natureza.
Até que um dia, Deus enviou um anjo para falar com ele, e lhe disse:
- Deus quer compensá-lo por suas boas ações.

- Não é necessário - respondeu o homem.
- E se você tivesse o Dom de curar? - perguntou o anjo.
- De maneira alguma! - disse ele - Eu não saberia como distinguir quem merecesse ou não ser curado.
- E se possuísse o Dom da palavra que transforma? - insistiu o anjo - Você poderia atrair as pessoas para o caminho da Verdade.
- Não quero ser venerado por ninguém. Gostaria de continuar sendo uma pessoa simples - foi a resposta.

- Preocupado, o anjo disse:
- Não posso voltar para de onde vim sem antes ter lhe concedido uma graça, um milagre ou um Dom. Se você não escolher, será obrigado a aceitar qualquer um.
O homem pensou por um momento, e disse:
- A partir de hoje, gostaria que o Bem que eu possa fazer ninguém perceba que fui eu - e acrescentou - Nem mesmo eu devo saber; alimentaria a minha vaidade.
Satisfeito, o anjo fez um gesto e a sombra do homem passou a ter o poder de abençoar e de curar. Mas isto só aconteceria quando seu rosto estivesse na direção do sol. Desta forma, por onde ele fosse, os doentes seriam aliviados, a terra seca se tornaria fértil e as pessoas tristes voltariam a sorrir.

Este homem caminhou muitos anos pela Terra sem jamais saber dos milagres que realizava, pois quando o sol batia em seu rosto sua sombra sempre estava detrás dele.
Assim, ele viveu e morreu sem nunca ter consciência da sua própria Santidade.

* * * * *

O nome deste personagem era Lao Tsé. Viveu na China no século V a.C. num período em que o país enfrentava muitas guerras e problemas políticos.
Morou sempre sozinho, mas sempre recebia a todos com amor. Não teve seguidores, nem nunca os permitiu. Defendia a liberdade de crença e não acreditava em diferenças sociais. Não gostava de honrarias. Sempre que possível, evitava ter de ir ao Palácio Real quando o príncipe o chamava.

Dotado de uma sensibilidade extraordinária, gostava de receber o amanhecer caminhando pelo bosque, respirando e meditando com a brisa matinal. Contam que nessas caminhadas houve um soldado que o seguia de longe. Seu nome era Lin Hsi, e admirava Lao Tsé pela paz que fluía da sua pessoa.

Ao alcançar uma idade avançada e pressentindo que a China seria invadida pelos mongóis, Lao Tsé decidiu deixar o Império saindo pelo portão Oeste, rumo à Ásia central. Foi quando o soldado Lin Hsi o tomou como prisioneiro.

- Amigo, sou muito velho para participar da guerra. - disse Lao Tsé.
- Não queira me enganar! - disse o soldado - Sei quem você é! Durante anos segui-o pelo bosque nas suas caminhadas ao amanhecer. Os milagres aconteciam sob sua sombra por onde você passava. Portanto, você deve ser um santo, um mestre ou um sábio.
- Agora o reconheço, - disse Lao Tsé - algumas vezes senti sua presença, ao longe, no bosque.

O soldado o levou até sua casa, e disse:
- Registre para mim um pouco da sua sabedoria. Não quero que a História deixe de saber quem foi Lao Tsé. Escreva um livro antes de partir. Enquanto isso será meu prisioneiro.
É claro que ficaram amigos e Lao Tsé se tornou seu hóspede. Após um pernoite, escreveu 5000 palavras que chamou de "TAO TÉ CHING" ou "Livro do Caminho Perfeito". A sua linguagem misteriosa e condensada, não admite leitura superficial, pois só vai sendo revelada aos poucos conforme o leitor abre seu coração à Verdade.

A partir do livro surgiu o "Taoísmo", filosofia que inspirou Confúcio, serviu de base do Budismo Ch’an ou Zen, e cuja influência é indiscutível no pensamento da China.
Talvez a maior virtude de Lao Tsé fosse a humildade. Ele dizia:
- SABEIS PORQUE O MAR E OS RIOS SÃO SUPERIORES AOS RIACHOS DAS MONTANHAS? POIS, PORQUE SABEM MANTER-SE SEMPRE ABAIXO DELES.Conhecedor profundo do ser humano, sabia que todos vivemos em dois mundos paralelos: o mundo exterior e o mundo interior ou sutil. Às vezes, o passado se torna mais importante que o presente. Às vezes, o sonho é mais real que a realidade.
Nos escritos de Chuang Tsú, mestre taoísta do século III a.C., narra-se um sonho que teve Lao Tsé, descrito com seus próprios versos:
"SONHEI QUE ERA BORBOLETA.
E FOI UM SONHO TÃO REAL
QUE AO ACORDAR,
EU NÃO SABIA MAIS
SE ERA UM HOMEM
QUE SONHOU QUE ERA BORBOLETA
OU UMA BORBOLETA
SONHANDO QUE ERA HOMEM".

sábado, 11 de junho de 2011

Ahimsa - Fim à violência contra a Mulher - Roseli Colaneri - Maria de Fátima Jacinto



Há tantas formas de desamor... há tantas maneiras de machucar uma mulher... 

Não é somente a violência física que marca a vida de uma mulher que passa por essa humilhante, desumana, triste, e tão dolorida demonstração de domínio, prepotência, sarcasmo,arrogância, maldade, mas acima de tudo PSICOPATIA masculina. 

Para quem nunca pensou nas várias formas de violência praticadas contra a mulher, a violência psicológica é a que mais deixa sequelas emocionais, muitas vezes difíceis de curar...e ela não vem sozinha, porque quem agride psicologicamente já fez ou ainda agredirá fisicamente... 

Homens muito doentes, torturadores, psicopatas enrustidos atrás de uma voz suave, um grande poder de seduzir, é sempre um mentiroso em potencial, mascarado... passam anos construindo uma imagem para os outros de bom homem, caridoso, generoso, mas que em seu convívio familiar destrói tudo o que toca...

Até quando as mulheres serão agredidas, violentadas, mortas por esses homens tiranos, absolutamente fracassados, inseguros, violentos, doentes, insanos, sociopatas, psicopatas??

Todos os dias, milhares de mulheres são assassinadas,espancadas, estupradas, agredidas com palavrões, preconceitos, racismos, são roubadas em seus direitos materiais por ex-maridos, companheiros, que na verdade são terríveis psicopatas torturadores...quando a justiça vai realmente agir e nos devolver a dignidade merecida?

Até quando tudo isso continuara impune?

Até quando??

Poderia escrever folhas e folhas sobre o assunto, mas, hoje me limitarei somente a copiar um excelente texto escrito pela linda Maria de Fátima Jacinto.





O inimigo não mora ao lado...ele dorme do lado! 



Rose Colaneri



* * *




A (in)Justiça da Violência Psicológica por Maria de Fátima Jacinto.



É necessário e urgente uma busca sistematizada para investigar e caracterizar condutas socialmente desviantes e atentatórias da liberdade, dignidade e independência pessoais, da mulher.

Entretanto, uma reflexão sobre á realidade há muito percebida, e evidente de um todo que, por razões culturais e sociais, até agora era comumente aceita como fazendo parte da “normalidade” entre pessoas ligadas pelos laços afetivos ou, mais simplesmente, por laços de intimidade, em namoros, casamentos ou relações de fato. Bastará uma simples pesquisa na memória de nossas avós e até de nossas mães, ou relembrar os conteúdos de alguns filmes ou letras de algumas musicas tradicionais para se perceber quão antiga é esta prática, até há pouco, esmagadoramente, da responsabilidade dos homens.

Há uma geração, ou duas, atrás, a própria definição de um “bom marido”, nas classes mais populares, nem sequer contemplava a ausência desta tendência ou manifestação evidente como uma “qualidade” melhor classificada na hierarquia: primeiro estaria o ser trabalhador e “amigo de trazer para casa”, segundo o de não ser bêbado e de não bater na mulher...

Embora se continue a valorizar mais a agressão física na violência doméstica, pelas razões óbvias das suas conseqüências visíveis (e ultimamente a contribuírem assustadoramente para a dramática estatística dos homicídios qualificados), o “abuso emocional”, excluindo o risco de vida imediato, mesmo sendo causa relativamente freqüente de suicídios, tem, quase sempre, conseqüências trágicas na vida emocional e afetiva das vitimas.

O abuso emocional, tal como qualquer outra ação psicológica que vise a destruição da identidade individual, da dignidade, da auto-estima e da liberdade, cujo exemplo mais comum é a chamada “lavagem cerebral”, pretende alcançar o domínio e o controle sobre a pessoa abusada através do medo; da restrição indireta ou direta da sua liberdade e da imposição de um clima de coação emocional tendente a submergir a vontade individual, a modelar comportamentos e atitudes conformes aos desejos do abusador, a provocar o isolamento familiar, social e afetivo e a criar uma dependência absoluta em relação ao agressor, pela desvalorização do seu “eu” global, das suas idéias, atitudes, sentimentos e comportamentos. As ameaças de violência física, da exposição pública das hipotéticas falhas ou defeitos ou até do abandono tumultuoso da relação, com versões de homicídio ou suicídio, numa evidente chantagem emocional; o terror infundido através de constantes crises de violência verbal ou violência sobre objetos; o desprezo ostensivo perante queixas ou lamentações e a ignorância dos sentimentos; o aviltamento em relação aos saberes ou práticas culturais ou domésticas; o controlo permanente (policiamento) sobre as atividades e, por vezes, as humilhações sexuais acabam por conduzir a vitima a um estado de submissão, marcado permanentemente pela necessidade de não importunar ou provocar explosões de mau humor no agressor, anulando assim progressivamente, a própria existência autônoma.

Por vezes sucede de modo comum com outras situações de elevado stress, violência e dependência, que a vítima acaba por se “identificar” com o agressor, desculpando-o, “compreendendo-o” e defendendo-o de terceiros, racionalizando assim “patologicamente” a situação de “vitimização” que, às vezes, o agressor assume no casal, invertendo paradoxalmente as posições de vítima e carrasco. Nesta fase, sem uma intervenção exterior, o ciclo do abuso emocional tenderá a perpetuar-se sem esperança nem apelo.

As armas utilizadas na destruição da identidade da vítima são, como já foi referido, a violência, em múltiplas formas, claras ou dissimuladas; o sarcasmo, o ridículo, a mentira ou distorção grosseira da verdade; o isolamento familiar, social e afetivo; a discriminação, a depreciação, a humilhação e a indiferença pelos sentimentos e o desprezo pela pessoa; o abuso sexual, o controlo absoluto de todos os passos e a vitimização, com inversão dos papéis. Por vezes, o contexto em que se desenrolam todas estas agressões formata-se como uma relação de senhor(a)/criada(o) ou patrão(patroa)/empregada(o), explorando apenas as utilidades do casal mas sem lhe conceder laços afetivos.

Convém salientar que as conseqüências para o abusado não se extinguem nas seqüelas psicológicas do abuso: frequentemente as conseqüências estendem-se às perturbações psicossomáticas, às cefaléias, à depressão e às doenças infecciosas “oportunistas”, típicas de sistemas imunitários enfraquecidos, no caso, por sujeição a stress constante e, eventualmente, má nutrição e sono de má qualidade.
A questão premente que se coloca, entretanto, é a de saber porque é que o abuso emocional acontece.

Independentemente de causas psicológicas subjacentes, que têm, sempre, um peso importante, parece um dado adquirido que os fundamentos culturais, sociais, ideológicos e religiosos terão um papel preponderante nos comportamentos de abuso emocional. Seja por “respeitar” uma tradição, como a da subalternização moderada da mulher na herança judaico-cristã, ou radical, no islamismo; seja por uma visão conservadora e reacionária do homem sobre a mulher, também herdada da prática ancestral (estatisticamente é mais relevante o abuso por parte do homem); ou ainda porque o exercício do poder econômico, sem suportes éticos e morais facilmente extravasa para o exercício do poder pessoal arbitrário, estes fatores facilitam ou agem diretamente como desencadeantes do abuso.

Na atualidade, a manutenção e o agravamento destes comportamentos, em oposição a uma maior abertura sentida em relação à igualdade dos direitos do gênero e à defesa da individualidade radicam-se na impunidade social de que gozam (a abrangência das leis sobre a violência doméstica ainda não contempla o abuso emocional), e no espírito que governa a administração formal, ou informal, da justiça, tendenciosamente contrário às leis do condicionamento operante, que, como se sabe, influenciam de forma capital os nossos comportamentos, ao mantê-los e ao aumentar a sua freqüência se existirem reforços nas suas conseqüências (no caso, pelo prazer de dominar), ou a extingui-los ou debilitá-los se os resultados forem negativos (punição ou ausência de reforço).

Evidentemente que um comportamento que contempla um maquiavelismo comportamental terá que ter, nas variáveis psicológicas, também um determinante essencial.

O combate da agressão emocional á mulher, tenha este a composição que tiver e independentemente do sentido do gênero em que ocorra tem diversas frentes. Uma delas é, claramente, a intervenção legal.

A legislação tem que ser adequada a este tipo de agressões e a forma do seu reconhecimento divulgada amplamente em campanhas de informação. Para que a intervenção legal ocorra é, evidentemente, decisivo o conhecimento dos fatos, o que sugere uma grande necessidade de que este tipo de agressão seja bem tipificado e considerado “crime público”, o que aumenta as probabilidades da sua denúncia e tratamento jurídico..

Mas, é na prevenção que, nesta área, tal como em quase todas as outras situações de abuso deve incidir o maior esforço social, através de campanhas, oficiais ou oficiosas que, com maior ou menor complexidade filosófica ou prática transmitam, de forma impressiva que, na verdade, a origem deste e de muitos outros problemas de relacionamento social e afetivo reside no fato de não entendermos que, entre nós, somos todos iguais e de que, por essa razão, todos pertencemos uns aos outros.








domingo, 13 de março de 2011

Prática de Ksitigarbha - Situações de Perigo

Namo Budhaya
Namo Dharmaya
Namo Sanghaya
Bodhisattva Ksitigarbha


Bodhisattva Ksitigarbha,
cuja compaixão, sabedoria e força espiritual
são incomensuráveis.

Namaste!

Interessante que há semanas venho estudando sobre Ksitigarbha, praticando seus mantras, compilando textos de livros e sites, a partir de um pedido de um amigo que sentiu um chamado forte para trabalhar com a energia dele e agora Lama Zopa Rinpoche pede que façamos a pratica para ajudar o Japão nesse momento tao difícil  Como sou devota de Kuan Yin a Deusa da Misericórdia logo sintonizei com a energia compassiva desse Bodhisattva que é também conhecido como Deus da Misericórdia. Busquei dias e dias por conhecimentos e pude ao mesmo tempo trabalhar com o mantra. É indescritível a energia que Ksitigarbha emana.

Seus mantras são fortes, assim como Ele o é, porque lida com as trevas e todo sofrimento intenso. Vou colocar um pouco do que já consegui sobre Ksitigarbha e uma prática que foi nos enviada por Lama Zopa Rinpoche para que possamos ajudar nos casos de desastres naturais como o ocorrido no Japão.


Espero que muitos possam se beneficiar desse estudo e prática.

Que todos os seres de todos os mundos sejam livres dos sofrimentos e de suas causas!!!
Agradecimento sincero ao amigo que trouxe Ksitigarbha mais presente para esse momento de minha vida e ao amigo que me ajudou na busca de um dos mantras-audio!* * *Na China ele é conhecido como Zang Di Pu Sa ou Ti Tsan Pu Sa ou Ti Tsang
Ti = Terra
Tsan = tudo que é armazenado na terra – isso quer dizer que assim como a terra o Bodhisattva Ksitigarba “aceita e suporta” tudo.

No Japão é conhecido como Jizo.
No Tibet é conhecido como Sa-E Nyingpo ou Sai Nyingpo.
Em sânscrito seu nome é Ksitigarbha.


Geralmente o Bodhisattva Ksitigarbha é mostrado vestido com trajes de monge, de cabeça raspada. Às vezes é representado com uma coroa na cabeça com cinco pontas que representam os cincos Budhas Dhyani, como usam os monges tibetanos e chineses nos rituais tantricos.

Em sua mão direita traz um cajado que em sua parte superior possui 6 anéis representando ter alcançado as 6 Perfeições (cajado esse que ele usa para quebrar as portas do inferno e do sofrimento).
Em sua mão esquerda ele traz uma pérola de uma luz brilhante muito intensa que é capaz de iluminar toda existência afastando-a da dor – essa pérola é o tesouro do mundo.

A representação de Ksitigarbha Bodhisattva em pé é particularmente popular no Japão onde ele é conhecido por Jizo Bosatu.


Ksitigarbha é denominado "essência da terra".

O bodhisattva Kshitigarbha tem uma profunda relação com os seres da Terra - humanos e, especialmente, com os fantasmas famintos e seres do inferno. Porque esses são os mais difíceis de se levantar em uma condição mais afortunada, devido às suas ações prejudiciais anteriores , e por causa do seu voto passado para salvá-los todos, Kishitigarbha tem sido conhecido como o Mestre das Regiões das Trevas. "Se eu não for ao inferno para ajudá-los, quem irá?" é a famosa declaração popularmente atribuído a Kshitigarbha. Não importa o crime ou o carma, ele está disposto a ter uma conexão com qualquer ser, e para ajudar a libertá-los do sofrimento.

Um mantra extenso para Ksitigarbha
Este mantra é para ser usado para todas as dificuldades e problemas, é o melhor a fazer para qualquer problema em qualquer situação. Mesmo recitando quatro ou cinco vezes, apenas algumas vezes, é muito poderoso. Ele é poderoso para rezar ou apenas para pensar no nome do bodhisattva. É muito, muito poderoso.

CHHIM BHO CHHIM BHO CHIM CHHIM BHO
AKASHA CHHIM BHO
VAKARA CHHIM BHO
AMAVARA CHHIM BHO
VARA CHHIM BHO
VACHIRA CHHIM BHO
AROGA CHHIM BHO
DHARMA CHHIM BHO
SATEVA CHHIM BHO
SATENI HALA CHHIM BHO
VIVA ROKA SHAVA CHHIM BHO
UVA SHAMA CHHIM BHO
NAYANA CHHIM BHO
PRAJÑA SAMA MONI RATNA CHHIM BHO
KSHANA CHHIM BHO
VISHEMA VARIYA CHHIM BHO
SHASI TALA MAVA CHHIM BHO
VI AH DRASO TAMA HELE
DAM VE YAM VE
CHAKRASE
CHAKRA VASILE
KSHILI PHILE KARAVA
VARA VARITE
HASERE PRARAVE
PARECHARA BHANDHANE
ARADANE
PHANARA
CHA CHI CHA CHA
HILE MILE AKHATA THAGEKHE
THAGAKHI LO
THHARE THHARE MILE MADHE
NANTE KULE MILE
ANG KU CHITABHE
ARAI GYIRE VARA GYIRE
KUTA SHAMAMALE
TONAGYE TONAGYE
TONAGULE
HURU HURU HURU
KULO STO MILE
MORITO
MIRITA
BHANDHATA
KARA KHAM REM
HURU HURU


Leva-se pouco tempo para acompanhar perfeitamente o canto com a pronúncia correta.
Nada impede que toquemos em som audível para que a energia propague no ambiente também.

Há também um mantra de Ksitigarbha Bodhisattva para erradicar os carmas negativos. Todos nós temos nossas parcelas a erradicar nessa vida. Que possamos com todo respeito cantar para esse Ser de Compaixão para que possamos purificar nossos corpos e seguir rumo ao Nirvana.


Mantra para Erradicar carmas negativos
Om bō là mò lín tuó níng suō pó hē
Namo TI Tsang Wang PUSA em chinês

Existem dois lugares conhecidos como Terras Puras de Ksitigarbha Bodhisattva. Na Índia é chamado de Kharadiya Mountain que fica perto da antiga cidade de Gaya. O outro lugar é Chiuhua Mountain, uma das quatro montanhas mais famosas da China, fica na província de Anhui na China Oriental. É o destino popular dos peregrinos que querem oferecer dedicatórias à Ksitigarbha Bodhisattva.

Foi nessa montanha que Buda certa vez fez um discurso sobre Ksitigarbha Bodhisattva. Pouco antes de começar o discurso alguns acontecimentos surpreenderam os que lá estavam. As nuvens faziam formas fantásticas ao redor da montanha e as pessoas estavam decoradas com jóias e flores e outros ornamentos. Buda disse à todos que tudo estava realmente acontecendo. O esplendor das jóias brilhou em todas as direções para a Terra Pura de outros budhas.

Um monge chamado Chin-Chao Chueh viveu nessa montanha com um cachorro branco. Diz-se que de dia ele ensinava budismo aos discípulos e seguidores leigos e à noite ensinava para os fantasmas e almas sofredoras do inferno.

Por isso acredita-se que ele seja uma manifestação de Ksitigarbha Bodhisattva. Quando de sua morte os discípulos construíram na montanha um templo em sua homenagem.


Que todos possam se beneficiar desse texto e dos mantras!

Texto By Rose Colaneri

Seja educado repasse com autoria. Respeite!


Abaixo texto de Lama Zopa Rinpoche para a prática em benefício aos que sofreram desastres naturais recebida por email:


Meus queridos,
Lama Zopa Rinpoche pediu que eu enviasse esta mensagem para todos os Centros e alunos que
possam ser afetados pelo tsunami [de 11/03/2011 no Japão].
Rinpoche aconselha recitar o mantra e orações de Ksitibharba e também recitar os mantras-nome dos Budas, tomando um refúgio forte e fazendo preces firmes.
Rinpoche disse que isto é benéfico para os outros que estão sendo afetados, e até mesmo se você não estiver.
Com amor
Holly


Oração e Mantra de Guru Shakyamuni


La ma tön pa chom dän dä
De zhin sheg pa dra chom pa
Yang dag par dzog päi sang gyä
Päl gyäl wa shakya thub pa la
Chhag tshäl lo chhö do kyab su chhi wo
Jin gyi lab tu söl


Ao guru, o fundador, bhagavan, tathagata, arhat,
buda perfeitamente realizado,
glorioso conquistador Buda Shakyamuni,
eu me prosterno, faço oferecimentos, e busco refúgio.
Por favor, conceda-me as suas bênçãos.

Prática de Kshitigarbha


Eu me prosterno, busco refúgio, e faço oferecimentos ao bodhisattva Kshitigarbha, que possui
uma compaixão incomparável por mim e por todos os seres sencientes sofredores cujas
mentes estão obscurecidas, que possui qualidades semelhantes ao céu, que libera os seres
sencientes de todos os sofrimentos e concede toda felicidade. Por favor, conceda-nos as suas
bênçãos! (3x)

Com as mãos unidas em prosternação, você pode visualizar que está se prosternando a todos
os budas e bodhisattvas – que se tornam prosternações quando você pronuncia a palavra
“prosternação.” Quando você diz “refúgio,” pense que você está pedindo para se libertar dos
dois obscurecimentos (para ser capaz de alcançar a iluminação). Quando você diz a palavra
“oferecimentos,” pense que todos os oferecimentos que você tem e depois ofereça.
Então, quando você pedir “bênçãos,” leve à mente o caminho complete até a iluminação – esta é a bênção que
será recebida.Portanto os vastos benefícios deste mantra serão traduzidos.Este é o mantra que Kshitigarbha
ouviu de budas em número iguais aos grãos de areia do rio Ganga (o rio Ganges na Índia). Ele fez
oferecimentos a eles e depois recebeu este mantra. Esta é a estória do mantra – como receber todos os benefícios.


Este mantra deve ser usado em quaisquer dificuldades ou problemas. É o melhor a ser usado para qualquer
problema em qualquer situação. Recitá-lo até mesmo somente quatro ou cinco vezes – umas poucas vezes – é
muito poderoso. O mantra fala muito do poder, demonstrando como o bodhisattva é importante. Mesmo recitar
ou simplesmente pensar no nome do bodhisattva é muito, muito poderoso.

2
Mantra Longo:


CHHIM BHO CHHIM BHO CHIM CHHIM BHO / AKASHA CHHIM BHO / VAKARA
CHHIM BHO / AMAVARA CHHIM BHO / VARA CHHIM BHO / VACHIRA CHHIM
BHO / AROGA CHHIM BHO / DHARMA CHHIM BHO / SATEVA CHHIM BHO /
SATENI HALA CHHIM BHO / VIVA ROKA SHAVA CHHIM BHO / UVA SHAMA
CHHIM BHO / NAYANA CHHIM BHO / PRAJÑA SAMA MONI RATNA CHHIM BHO /
KSHANA CHHIM BHO / VISHEMA VARIYA CHHIM BHO / SHASI TALA MAVA
CHHIM BHO / VI AH DRASO TAMA HELE / DAM VE YAM VE / CHAKRASE /
CHAKRA VASILE / KSHILI PHILE KARAVA / VARA VARITE / HASERE PRARAVE /
PARECHARA BHANDHANE / ARADANE / PHANARA / CHA CHI CHA CHA / HILE
MILE AKHATA THAGEKHE / THAGAKHI LO / THHARE THHARE MILE MADHE /
NANTE KULE MILE / ANG KU CHITABHE / ARAI GYIRE VARA GYIRE / KUTA
SHAMAMALE /TONAGYE TONAGYE / TONAGULE / HURU HURU HURU / KULO
STO MILE / MORITO / MIRITA / BHANDHATA / KARA KHAM REM / HURU HURU

Mantra Curto:OM AH KSHITI GARBHA THALENG HUM

Louvor de Buda a KshitigarbhaVocê gerou a estabilidade de pensamento e o pensamento puro e altruísta da bodhichitta e
eliminou os sofrimentos de imensuráveis seres sencientes. Eu vejo (os seres sencientes)
recebendo felicidade como a vinda da jóia que realiza desejos, e que com o vajra você corta as
redes das dúvidas dos seres. Você faz oferecimentos santos aos destruidores de inimigos e aos
qualificados idos além, com o pensamento e a perseverança da grande compaixão. Você libera
os seres sencientes de seus sofrimentos com oceanos de sabedoria. Por não ter qualquer medo
(delusões), você foi além do samsara.

Brahma ouviu este mantra e depois disse para toda a assembléia, “Por favor, rejubilem-se com
o mantra que eu acabei de dizer.”
E Buda disse, “Muito bom, muito bom.”
Esta prática é especialmente benéfica para aqueles que estão com problemas pesados, sérios problemas de saúde, grandes projetos, ou dificuldades financeiras. Eu o sugiro como extremamente poderoso para ser recitado todos os dias para proteção, pelo menos quatro ou cinco vezes, ou mais, dependendo de quão crucial seja a situação.

Esta prática é eficaz até para as lavouras crescerem bem e para proteger a terra e as lavouras. No sutra do bodhisattva Kshitigarbha estão explicados os benefícios e as qualidades: eles são como céus de benefícios a todos os seres. Houve experiências e benefícios similares (àqueles mencionados no sutra) que foram recebidos por praticantes de Kshitigarbha.
Colofão:
Esta prática foi compilada e ditada para Getsul Thubten Nyingje por Lama Zopa Rinpoche em Madison, Wisconsin, em 30 de
junho de 1998 e subsequentemente verificada. Ligeiramente editada por Murray Wright e Kendall Magnussen, na Land of
Medicine Buddha, em 24 de agosto de 1998. Foi revisada dia 05 de abril de 1999 em Aptos, CA, EUA. Edições adicionais,
FPMT – Serviços de Educação, agosto de 2000. Mantras verificados junto ao tibetano e maiores revisões concluídas em 31
de outubro de 2001. Traduzido para o português pelo Escritório de Traduções da FPMT-Brasil em 11 de março de 2011.

Você não está só porque o tempo inteiro há incontáveis Budas e Bodhisattvas ao seu redor, em todos os lugares, amando-o e guiando-o, é isso o que eles fazem.
~ Lama Zopa Rinpoche