sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Escutatória - Rubem Alves








Namaste !


Será que existem pessoas realmente interessadas no que o outro tem pra dizer??
Será que existem pessoas que conseguem "escutar" o que os outros não dizem?

Não há mais o "cativar"...tudo é muito superficial...

Espero sinceramente que as pessoas fechem seus ouvidos e olhos físicos, e, comecem a
ouvir e "enxergar com os olhos do coração"... SER E não TER !!!

Senão, não vejo esperanças para os relacionamentos verdadeiros!




Do brilhante Rubem Alves


Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória.
Todo mundo quer aprender a falar… Ninguém quer aprender a ouvir.


Pensei em oferecer um curso de escutatória, mas acho que ninguém vai se matricular.
Escutar é complicado e sutil.

Diz Alberto Caeiro que… Não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas.

Para se ver, é preciso que a cabeça esteja vazia.

Parafraseio o Alberto Caeiro:

Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito.
É preciso também que haja silêncio dentro da alma.

Daí a dificuldade:
A gente não agüenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor…
Sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer.
Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descansada consideração…

E precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer, que é muito melhor.
Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil de nossa arrogância e vaidade.
No fundo, somos os mais bonitos…
Pensamentos que ele julgava essenciais.
São-me estranhos. É preciso tempo para entender o que o outro falou.
Se eu falar logo a seguir… São duas as possibilidades.

Primeira: Fiquei em silêncio só por delicadeza.
Na verdade, não ouvi o que você falou.
Enquanto você falava, eu pensava nas coisas que iria falar quando você terminasse sua (tola) fala.
Falo como se você não tivesse falado.

Segunda: Ouvi o que você falou. Mas, isso que você falou como novidade eu já pensei há muito tempo.
É coisa velha para mim. Tanto que nem preciso pensar sobre o que você falou.
Em ambos os casos, estou chamando o outro de tolo. O que é pior que uma bofetada.
O longo silêncio quer dizer: Estou ponderando cuidadosamente tudo aquilo que você falou.

E, assim vai a reunião.

Não basta o silêncio de fora. É preciso silêncio dentro. Ausência de pensamentos.

E aí, quando se faz o silêncio dentro, a gente começa a ouvir coisas que não ouvia.
Eu comecei a ouvir.

Fernando Pessoa conhecia a experiência…
E, se referia a algo que se ouve nos interstícios das palavras…
No lugar onde não há palavras.
A música acontece no silêncio.
A alma é uma catedral submersa.
No fundo do mar – quem faz mergulho sabe – a boca fica fechada.
Somos todos olhos e ouvidos.
Aí, livres dos ruídos do falatório e dos saberes da filosofia, ouvimos a melodia que não havia…
Que de tão linda nos faz chorar.

Para mim, Deus é isto: A beleza que se ouve no silêncio.

Daí a importância de saber ouvir os outros: A beleza mora lá também.

Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto.


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Certezas








Namaste!



Certezas


Não quero alguém que morra de amor por mim…

Só preciso de alguém que viva por mim,

que queira estar junto de mim, me abraçando.



Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo,

quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.



Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim…

Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu,

em algum momento, fui insubstituível…

E que esse momento será inesquecível..



Só quero que meu sentimento seja valorizado.

Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre…

E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.



Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém…

e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos,

que faço falta quando não estou por perto.



Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras,

alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho…



Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons

sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente

importa, que é meu sentimento… e não brinque com ele.



E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca

cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.



Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter

forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe…

Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.



Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia,

e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos,

talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.



Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas…

Que a esperança nunca me pareça um “não” que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como “sim”.



Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder

dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim,

sem ter de me preocupar com terceiros…

Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.



Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão…

Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas,

que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim…

e que valeu a pena.


Esse texto é atribuído na Internet à Mario Quintana, mas, já vi menção de ser da autora Adriana Britto e acredito nisso!