quarta-feira, 18 de agosto de 2010

A tranquilidade das ovelhas - Rubem Alves

Linda tela de Leonid Afremov







Namaste!


E quem nunca sentiu medo na vida?? Acho que nunca existiu uma pessoa que não experimentou a angústia do medo...a ansiedade que gera o medo...a insegurança causada pelo medo.


Claro que uma dose equilibrada de medo é necessária, pois precisamos de cautela também..

Mas há aqueles que vivem inertes por anos por causa do medo...medo da morte, medo da rejeição, medo da solidão, medo da violência, medo de amar, medo de não ser capaz, medo de não ser amado, medo de não ser inteligente, medo de não conseguir um bom emprego, medo de ter medo...há medos para todos os gostos...


Mas somente desafiando nossos medos é que os enfrentamos e os vencemos...ou não. Às vezes precisamos enfrentar os mesmos medos porque não conseguimos vencê-los em outra ocasião.

O importante é assumir que somos humanos falíveis e que podemos ter medo sim, em excesso é preciso tratar, e para isso há uma série de opções...e não é vergonhoso pedir ajuda...esse aliás é um grande passo..


Os medos sempre existirão, após vencermos um, outro virá, é preciso desafia-los,  acreditar em nosso poder pessoal, isso nos fortalece!

O texto abaixo é do grande Rubem Alves, quem me conhece sabe o quanto amo esse senhor, o quanto admiro, o quanto ele me faz aprender e refletir..até com as colocações dele que eu não compactuo, discutimos (eu e ele, mas ele não sabe) e sempre chegamos a um acordo...


Rose Colaneri


Para apreciação, Rubem Alves em:


A tranquilidade das Ovelhas


A noite estava escura, céu sem estrelas. De vez em quando ouvia-se o uivo de um lobo bem longe, misturado com o barulho do vento. As crianças reunidas na tenda do Mestre Benjamin estavam com medo.


Mestre Benjamim sentiu o medo nos seus olhos. Foi então que uma delas perguntou:


- Mestre Benjamim, há um jeito de não ter medo? Medo é tão ruim!


Mestre Benjamim respondeu: - Há sim... E ficou quieto. Veio então a outra pergunta:


- E qual é esse jeito?


- É muito fácil. É só pensar como as ovelhas pensam...


- Mas como é que vou saber o que as ovelhas estão pensando? Mestre Benjamim respondeu: -


Quando durante a noite, as ovelhas estão deitadas na pastagem, os lobos estão à espreita. E eles uivam. As ovelhas têm medo. Mas aí, misturado ao uivo dos lobos, elas ouvem a música mansa de uma flauta. É o pastor que cuida delas e não dorme nunca.


Ouvindo a música da flauta elas pensam: Há um pastor que me protege. Ele me leva aos lugares de grama verde e sabe onde estão as fontes de águas límpidas. Uma brisa fresca refresca a minha alma. Durante o dia ele me pega no colo e me conduz por trilhas amenas. Mesmo quando tenho de passar pelo vale escuro da morte eu não tenho medo. A sua mão e o seu cajado me tranqüilizam.


Enquanto os lobos uivam, ele me dá o que comer. Passa óleo perfumado na minha cabeça para curar minhas feridas. E me dá água fresca para sarar o meu cansaço. Com ele não terei medo, eternamente... (Salmo 23, paráfrase)


Mestre Benjamim parou de falar. Os olhos de todas as crianças estavam nele. Foi então que uma delas levantou a mão e perguntou:


- E os lobos? Eles vão embora? Eles morrem?


- Os lobos continuam a uivar. E continuam a ser perigosos. O pastor não consegue espantar todos eles. E por vezes eles atacam e matam. Mas as ovelhas, ouvindo a música da flauta do pastor dormem sem medo, não porque não haja mais perigo, mas a despeito do perigo.


Não há jeito de acabar com o perigo. Mas há um jeito de acabar com o medo.


Coragem é isso: dormir sem medo a despeito do perigo...


As crianças voltaram para suas tendas e dormiram sem medo, pensando nos pensamentos das ovelhas. De vez em quando, lá fora, ouvia-se o uivo de um lobo faminto.


Desde então, tornou-se costume contar ovelhinhas para dormir.


Texto de Rubem Alves, do livro: “Perguntaram-me se acredito em Deus”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário